sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Ruta 40


Em busca de novas experências, em Dezembro de 2008 eu e minha namorada, Flávia, partimos a Patagonia Argentina. Na primeira parte desta viagem o nosso objetivo era acampar, caminhar, buscar contato íntimo com a natureza, algo de aventura e ter a sensação impressionante de observar montanhas gigantescas e imensos campos de gelo.


O lugar perfeito para fazer tudo isso de uma só vez chama-se El Chaltén.


Chaltén, que na lingua Tehuelche, significa “pico de fogo” ou “montanha de fumaça”, foi o nome dado pelos Indios locais ao grande maciço de granito cujo cume esta quase sempre coberto por nuvens. Os exploradores Carlos Moyano e Perito Moreno o chamaram mais tarde de Monte Fitz Roy, em homenagem ao capitão da nau Beagle, famosa por levar o naturalista Charles Darwin em uma volta ao mundo que mais tarde o inspiraria a escrever a obra que mudaria o nosso modo de ver a natureza, “A origem das espécies”.

Ambos, Darwin e Fitz Roy, subiram em 1834 o rio Santa Cruz, chegando a apenas 50 km da cordilheira. Esta pequena e pitoresca cidade de apenas 600 moradores fica dentro do belíssimo “Parque Nacional dos Glaciares”.

Durante o verão, cujos os dias são longuissimos (das 5am as 10 pm), o lugar é visitado por milhares de trekkers e montanhistas, alguns como no meu caso, apenas pelo prazer de entrar em contato com a natureza e outos pelo desafio irresistível de escalar uma montanha, vencendo obstaculos de neve, gelo e rocha. As primeiras horas da manha nos leva a entender porque estamos na "Tierra del Fuego" e tambem porque os nativos Tehuelches chamaram este monte de "Chaltén", ou "Pico de Fogo".

Amanhencendo em Chaltén...por volta das 4 da manhã!

A mais nova cidade argentina (Constituída em 1985) esta cercada por belíssimas montanhas.

Depois de uma breve orientação no Centro de Visitantes do "Parque Nacional los Glaciares" partimos para as nossas caminhadas.
Não há taxas de entrada. Alguns acampamentos (como o Confluencia) em Chaltén são gratuitos também. A Filosofia pregada alí é de que a natureza pertence a todos!



Em poucos minutos de caminhada é possível contemplar paisagens idílicas.

Vale do rio Elétrico com vista para a Face Norte do Monte Fiz Roy, que neste dia estava encoberto.

Chorrillo del Salto, apenas 3km de caminha. Se vc olhar acima da cachoeira, a esquerda, há um pontinho. Este pontinho sou eu!

Nossa jornada continua na turística cidade de El Calafate, uma espécie de Campos de Jordão, situada nas margens do grande Lago Argentino. O lugar é perfeito para descansar, comer bem e recuperar o folego antes de partir para novas aventuras. O nome Calafate vem de uma pequena amora muito comum na Patagonia. O conhecimento popular diz que “se comer um Calafate você com certeza retornará aquelas terrras”. Eu não podia deixar de experimentar! El Calafate é também a porta de netrada para um dos cartões postais mais famosos da Argentina, o magnífico Glaciar Perito Moreno.

Possuindo 5km de largura e 60m de altura, este imponente Glaciar já foi chamado de a "oitava maravilha do mundo".


Esta localizado dentro da parte sul do Parque Nacional Los Glaciares, em uma zona rodeada por bosques, lagos e montanhas. Seu nome é uma homenagem a Francisco Moreno, criador da Sociedade Científica Argentina e um renomado pesquisador da região austral.


Além da extrema beleza, o Glaciar é considerado uma das reservas de água doce mais importantes do mundo.

Não nos contentamos em apreciar a vista clássica do Glaciar e por isso partimos para um “Ice Trekking” (caminhada sobre o gelo) onde atravessamos, infelizmente debaixo de uma leve chuva, uma grande extensão do Perito Moreno.



Fósseis marinhos revelam que a Cordilheira dos andes ja esteve submersa.


Hoje eu só penso em uma coisa quando vejo estas fotos, voltar !!!

Cristian Dimitrius, 33 anos, Itajubense, começou sua vida de aventura na maior empresa de mergulho do mundo, a Stuart Cove's nas Bahamas. Depois acabou vindo para o Brasil para iniciar o movimento de Montanha da cidade de Poços de Caldas fundando com seus amigos o CSME - Clube Sulmineiro de Montanhismo e Escalada e também abriu uma loja Triboo! Montanhismo na cidade. Neste tempo desenvolveu campeonatos de escalada esportiva em seu ginásio, onde também realizou as primeiras provas de Enduro a Pé da região. Acabou recebendo uma proposta de trabalho da Casa de Pedra e mudou-se para São Paulo, onde ajudou a criar junto com o escalador Alexandre Paranhos (Linha) um dos points de escalada em boulder mais conhecidos do Brasil o Pontão da Fortaleza (http://br.geocities.com/pontaodafortaleza/index.htm). Hoje ele voltou a trabalhar com mergulho com um dos profissionais do segmento mais conhecidos do Brasil, Laurence Wahba e continua fazendo aquilo que te traz mais prazer, estar nas Montanhas !

http://www.diveadventures.com.br/