quarta-feira, 14 de julho de 2010

Travessia Autorizada


Após um rápido contato com Juliana Lima, funcionária do P.N.Itatiaia conseguimos a tão sonhada autorização para realizarmos a famosa travessia da Serra Negra.

Barracas no Alsene

O início desta caminhada deve ser feito passando pela portaria do Planalto do Itatiaia para que os guardas parque possam efetivar a entrada do grupo no parque. Muitas pessoas fazem a Serra Negra pela estrada que existe a uns 200m do Hotel Alsene, porém deixam de passar pelo vale do Rio Aiuruoca onde há a imponente Pedra do Sino e as curiosas formações dos Ovos de Galinha. Por ali também temos a oportunidade de fazer uma parada na bela cachoeira do Aiuruoca onde é possível providenciar um rápido mergulho em suas águas geladas.

Alsene embargado

Depois da derrota do Brasil para a Holanda na copa, partimos no jeep do André Chiarello, o Josué Meystre, a Luane e eu, rumo a Maringá-RJ onde iriamos deixar o carro. Para agilizar o nosso resgate no fim da travessia em Maromba, fizemos contato com o Rodrigo da agência T&T de Maringa que fez o nosso transporte em sua Toyota partindo de Maringá até o Planalto do Itatiaia. Chegamos no Alsene as 22:00 onde percebemos que o Hotel havia mesmo sido embargado pelo Ibama. Como não fomos recebidos por ninguém e também não tinhamos alternativa, acampamos por ali mesmo.

Serra Fina

Portaria do Planalto do Itatiaia

Estrada do Parque

Durante a semana haviamos recebido um convite do nosso amigo Paulo Heitor de fazermos a travessia juntos com um pessoal bem bacana de São Paulo. Nos programamos de nos encontrar na portaria do parque as 7:00 do sábado. Pontualmente a van do Sr. Kazaoka estava na portaria onde nos juntamos a eles para nossa longa caminhada.

Gelo na Estrada

Após a confirmação da nossa autorização e pagamento da entrada, iniciamos nossa aventura as 8:30 com um frio de lascar. Nunca havia presenciado tanto gelo no PNI como desta vez.

Galera e o Agulhas ainda com sombra

Estava tão frio por lá que até a represa do Abrigo Rebouças estava coberta de uma placa de gelo em sua superfície, onde para variar o Josué não perdeu a oportunidade de dar um pulo nela ! Após a difícil tarefa, ele percebeu que ao pular ele havia cortado os pés e a canela no gelo que se formou na represa.

Notem os gelinhos na represa

O início da trilha se faz pelo rota que nos leva até ao Agulhas Negras, passando em frente a Pedra do Altar até contornarmos o morro do Cristal.

Luane On the Rocks

Paulo Heitor, Prateleiras e a ponte Pencil

Luane, Josué e o Agulhas

Prateleiras 2.530m


Luane e o Agulhas

Galera curtindo o visu !

Criação de gado no parque ?

Após pegarmos o ombro oeste que nos levaria a Pedra do Altar batemos de frente com uma ciação de gados de leite pastando tranquilamente nos capins do PNI, mas será que estas vaquinhas também tem a autorização de entrada como nós? Bem, deixa pra lá, pelo menos a nossa parte estamos fazendo !

Galera subindo o Agulhão

Luane descendo a trilha que leva a Pedra do Altar

Pedra do Altar

A partir dali a paisagem muda completamente. Descemos no vale do Aiuruoca que mais parece o vale Ruah. A trilha esta bem batida, ainda mais que deram uma roçada nos capins que margeam o caminho.

Galera dando uma pausa para admirar o visual

Vale do rio Aiuruoca

Josué no vale

Ovos de Galinha

Luane margeando o Rio Aiuruoca

No ano de 2000, eu havia feito parte desta travessia com 2 amigos, porém haviamos tomado a direita no final do vale seguindo por trás dos Ovos de Galinha, indo até o Rancho Caído passando pelo Vale dos Dinossauros e descendo o Mata Cavalo até chegarmos na Cachoeira do Escorrega de Maromba, onde acabamos não conhecendo a Cachoeira do Aiuruoca.

Cachoeira do Aiuruoca
Desta vez o objetivo era passar pela cachoeira para seguir em direção a Serra Negra.

Josué dando umas braçadas na cachu

Galera dando uma pausa na Cachoeira do Aiuruoca

A cachoeira do Aiuruoca existem várias. Esta por onde passamos é a primeira queda. Na verdade, toda trilha percorre seu leito até que ela segue para o bairro da Fragaria em Itamonte e o caminho acaba contornando a Serra Negra.

Sinalização na Trilha

Galera no maciço da Asa de Hermes

Pico do Marombinha ao fundo

Galera caminhando na crista

Pedra do Sino com a Cachoeira do Aiuruoca abaixo

Galera curtino o Visu

Após a descermos o leito do rio Aiuruoca até a o sopé da Serra Negra, contornamos a base da montanha sentido norte. Há algumas pegadinhas que são fundamentais para não errar o caminho, como quebrar a direita depois de entrar na segunda floresta sentido ao corrego do Aiuruoca.

Turma e maciço do Planalto do Itatiaia

André Chiarello puxando a turma com a segunda queda da Cachu do Aiuruoca ao fundo

Primeiro rancho encontrado dentro do parque, onde havia 2 cavalos pastando
Outra pegadinha é manter a direita depois dos 2 ranchos que há logo abaixo do primeiro rancho.

Pico de nome desconhecido ... por enquanto !

Chegada a casa dos filhos do Sr. Anísio

No final do dia, após contornarmos a Serra Negra, chegamos a casa dos filhos do Sr. Anísio. Neste local o parque considera como área de pernoite para os trekkers desta travessia. Por lá fomos muito bem recepcionados, onde montamos nossas barracas e utilizamos banheiros super limpos, e saboreamos uma refeição quente.

Chalés da Pousada Pico da Serra Negra
O Local conta com chalés para aluguel com acomodações em beliches par até 8 pessoas.
Telefone 35 9965 6515

Galera se preparando para partida.

Visuais

Auau figura !

Nossa Galera:
Márcio, Ronald, Fernando, Naka, Miriam, Myrna, Fabio, Octavio, Luciana, Luane, Orlando, André, Josué, Paulo Heitor e Bob.

2º dia de Caminhada

Na minha opinião esta travessia deve ser feita em tres dias para ficar mais proveitosa. Pois antes do pernoite no Sr. Anísio caberia muito bem um camping no vale do rio Aiuruoca, pois aquele lugar merece uma pausa.

Dona Rosa, esposa do falecidoSr. Anísio.

Casa do Sr. Anísio visto do alto

Alsene visto do alto da Serra Negra

Após sairmos da casa do filho do Sr. Anísio, tomamos a direita na primeira bifurcação e seguimos até a casa da Dona Rosa, esposa do falecido Sr Anísio. Dali entramos em uma trilha a direita atras de uma pequena casa em reforma onde inicia a subida da Misericórdia passando por umas caixas de abelha.

Subida da Misericórdia

Pedra Preta, ponto mais alto da Serra Negra

Trilhas bem marcadas
No segundo dia a travessia percorre por um braço da Serra Negra sentido nordeste onde fazemos um passo bem alto, avistando o Pico do Papagaio e a Pedra Selada. A partir dali passamos por grandes campos de altitude e entramos em uma grande grota sentido o córrego do Maromba.
P.E. Papagaio ao fundo

Campos de Altitude

Pedra Selada

Flor da Serra

Lindas Paisagens

Myrna com o Pico do Papagaio ao fundo

Descida para Maromba

Pedra Selada de Visconde de Mauá

Bosque da Chegada

Mulas transportando mantimentos pela travessia
Chegando na vila de Maromba, encontramos mulas fazendo o transporte de mantimentos das vilas para o outro lado da Serra Negra. Em troca, os jacas voltam da serra com queijos, doces e mel para as pousadas e restaurantes de Maromba, Maringa e Mauá.
Chegada em Maromba

Vila de Maromba

Maromba enfeitado para a Copa

Capela de São Jorge

Visconde de Mauá
No final da travessia, demos baixa na casa do P.N.I que há ao lado da Igreja de Mauá. La funciona a sede do Prevfogo do Parque. E assim voltamos com a certeza de frenquentar mais o lado norte da Serra da Mantiqueira, que possuem riquezas únicas como as águas da serra e as grandes montanhas que se situam entre os estados de Minas Gerais e o Rio de Janeiro.
Texto e Fotos: Orlando Mohallem